A Street

A Street - Uma rua

I used to be your favorite drunk
Good for one more laugh
Then we both ran out of luck
Luck was all we ever had
You put on a uniform
To fight the Civil War
You looked so good I didn’t care
What side you’re fighting for

It wasn’t all that easy
When you up and walked away
But I’ll save that little story
For another rainy day
I know the burden’s heavy
As you wheel it through the night
Some people say it’s empty
But that don’t mean it’s light

You left me with the dishes
And a baby in the bath
You’re tight with the militias
You wear their camouflage
You always said we’re equal
So let me march with you
Just an extra in the sequel
To the old red white and blue

Baby don’t ignore me
We were smokers we were friends
Forget that tired story
Of betrayal and revenge
I see the Ghost of Culture
With numbers on his wrist
Salute some new conclusion
Which all of us have missed

I cried for you this morning
And I’ll cry for you again
But I’m not in charge of sorrow
So please don’t ask me when
There may be wine and roses
And magnums of champagne
But we’ll never no we’ll never
Ever be that drunk again

The party’s over
But I’ve landed on my feet
I’ll be standing on this corner
Where there used to be a street

Eu fui seu bêbado favorito
Bom para mais uma risada
Então ficamos sem sorte
E sorte era tudo o que tínhamos
Você botou a farda
Para lutar na Guerra Civil
Você estava tão linda que nem me importei
Em saber por qual lado lutava

Não foi assim tão fácil
Quando você se levantou e partiu
Mas guardarei aquela pequena história
Para outro dia de chuva
Sei que o fardo é pesado
Enquanto o carrega noite adentro
Alguns dizem que ele está vazio
Mas isso não significa que é leve

Você me deixou com os pratos sujos
E um bebê na banheira
Você está engajada com as milícias
Você enverga a camuflagem deles
Você sempre disse que somos iguais
Então me deixe marchar ao seu lado
Apenas um extra nesta igualdade
Ao velho vermelho, branco e azul

Baby, não me ignore
Somos fumantes, somos amigos
Esqueça aquela história rota
De traição e vingança
Vejo o Fantasma da Cultura
Com números em seu pulso
Saúdo alguma nova conclusão
que talvez deixamos passar

Chorei por você esta manhã
E chorarei ainda mais
Mas não mando na tristeza
Então não me peça pra escolher a hora
Pode haver rosas e vinho
E litros de champanhe
Mas nunca, jamais ficaremos
tão bêbados como daquela vez

A festa acabou
Mas vou me recuperar
Vou ficar de pé nessa esquina
Onde uma rua costumava cruzar