A kite is a victim

Uma pipa é uma vítima

A kite is a victim you are sure of.
You love it because it pulls
gentle enough to call you master,
strong enough to call you fool;
because it lives
like a desperate trained falcon
in the high sweet air,
and you can always haul it down
to tame it in your drawer.

A kite is a fish you have already caught
in a pool where no fish come,
so you play him carefully and long,
and hope he won’t give up,
or the wind die down.

A kite is the last poem you’ve written,
so you give it to the wind,
but you don’t let it go
until someone finds you
something else to do.

A kite is a contract of glory
that must be made with the sun,
so make friends with the field
the river and the wind,
then you pray the whole cold night before,
under the travelling cordless moon,
to make you worthy and lyric and pure.

Uma pipa é uma vítima e você está certo disso.
Você a ama porque ela puxa
suave o bastante para te chamar de mestre,
firme o bastante para te chamar de tolo;
porque ela vive
como um perigoso falcão treinado
no doce ar rarefeito,
e pode sempre trazê-la de volta
para amansá-la em sua gaveta.

Uma pipa é um peixe que você já fisgou
numa piscina onde não há peixes,
então brinca longa e cuidadosamente com ela
e espera que não ser abandonado,
ou que cesse o vento.

Uma pipa é o último poema que você escreveu,
que é entregue ao vento,
mas não permite que ela se vá,
até que alguém arrume
alguma outra coisa a se fazer.

Uma pipa é um contrato de glória
que deve ser feito com o sol,
então você convida o campo, o rio e o vento
para serem seus amigos,
e por isso, durante todo o frio da noite anterior, reza,
sob o itinerante luar,
para que te faça digno, poético e puro.