Nevermind

Deixa pra lá

The war was lost
The treaty signed
I was not caught
I crossed the line

I was not caught
Though many tried
I live among you
Well disguised

I had to leave
My life behind
I dug some graves
You’ll never find

The story’s told
With facts and lies
I had a name
But never mind

Never mind
Never mind
The war was lost
The treaty signed

There’s truth that lives
And truth that dies
I don’t know which
So never mind

Your victory
Was so complete
That some among you
Thought to keep

A record of
Our little lives
The clothes we wore
Our spoons our knives

The games of luck
Our soldiers played
The stones we cut
The songs we made

Our law of peace
Which understands
A husband leads
A wife commands

And all of this
Expressions of
The Sweet Indifference
Some call Love

The High Indifference
Some call Fate
But we had Names
More intimate

Names so deep
and Names so true
They’re blood to me
They’re dust to you

There is no need
That this survive
There’s truth that lives
And truth that dies

Never mind
Never mind
I live the life
I left behind

There’s truth that lives…

I could not kill
The way you kill
I could not hate
I tried I failed

You turned me in
At least you tried
You side with them
Whom you despise

This was your heart
This swarm of flies
This was once your mouth
This bowl of lies

You serve them well
I’m not surprised
You’re of their kin
You’re of their kind

Never mind
Never mind
The story’s told
With facts and lies
You own the world
So never mind

Never mind
Never mind
I live the life
I left behind

I live it full
I live it wide
Through layers of time
You can’t divide

My woman’s here
My children too
Their graves are safe
From ghosts like you

In places deep
With roots entwined
I live the life
I left behind

A guerra foi perdida
O pacto assinado
Não fui capturado
Cruzei a fronteira

Não fui capturado
Apesar de muitos tentarem
Vivo ao seu lado
Bem disfarçado

Tive que deixar
Minha vida pra trás
Cavei algumas covas
Que você nunca encontrará

A história foi contada
Com fatos e mentiras
Eu tive um nome
Mas deixa pra lá

Deixa pra lá
Deixa pra lá
A guerra foi perdida
O pacto assinado

Há verdades que persistem
E verdades que morrem
Não sei quais são
Então deixa pra lá

Sua vitória
Foi tão completa
Que alguns do seu meio
Pensaram em guardar

Uma recordação
de nossas vidinhas
As roupas que vestimos
Nossas colheres e facas

Os jogos de sorte
Que nossos soldados jogavam
As pedras que lascamos
As canções que compomos

Nossa lei de paz
Que deixa a saber
Que um marido lidera
Uma esposa comanda

E tudo isso são
Expressões da
Doce Indiferença
Que alguns chamam de amor

A Grande Indiferença
Alguns chamam de Destino
Mas designávamos Nomes
Mais íntimos

Nomes tão profundos
E Nomes tão honestos
Que são sangue pra mim
Que são pó pra ti

Não há necessidade
Disso sobreviver
Há verdades que persistem
E verdades que morrem

Deixa pra lá
Deixa pra lá
Eu vivo a vida
Que deixei pra trás

Há verdades que persistem...

Não poderia matar
Como você matou
Não poderia odiar
Tentei e falhei

Você me converteu
Pelo menos tentou
Você foi pro lado daqueles
Que você despreza

Este foi seu coração
Esta nuvem de moscas
Era uma vez esta sua boca
Esta tigela de mentiras

Você os serviu bem
Não estou surpreso
Você é da laia deles
Você é do tipo deles

Deixa pra lá
Deixa pra lá
A história é contada
Com fatos e mentira
O mundo é seu
Então deixa pra lá

Deixa pra lá
Deixa pra lá
Eu vivo a vida
Que deixei pra trás

Vivo por completo
Vivo abertamente
Pelas camadas do tempo
Que não é capaz de quebrar

Minha mulher está aqui
Meus filhos também
Suas sepulturas estão seguras
De fantasmas como tu

Em lugares fundos
Com raízes entrelaçadas
Vivo a vida
Que deixei pra trás