There For You

Lá por você

When it all went down
And the pain came through
I get it now I was there for you
Don't ask me how
I know it's true
I get it now
I was there for you
I make my plans
Like I always do
But when I look back
I was there for you
I walk the streets
Like I used to do
And I freeze with fear
But I'm there for you
I see my life
In full review
It was never me
It was always you
You sent me here
You sent me there
Breaking things I can't repair
Making objects
Out of thoughts
making more
By thinking not
Eating food
And drinking wine
A body that
I thought was mine
Dressed as Arab
Dressed as Jew
O mask of iron
I was there for you
Moods of glory
Moods so foul
The world comes through
A bloody towel
And death is old
But it's always new
I freeze with fear
And I'm there for you
I see it clear
I always knew
It was never me
I was there for you
I was there for you
My darling one

And by your law
It all was done

Quando tudo deu errado
E a dor chegou com força
Entendi agora que estava lá por você
Não me pergunte o por quê
Sei que é verdade
Agora entendo
Estava lá por você
Fiz meu planos
Como sempre faço
Mas quando olhei pra trás
Estava lá por você
Ando pelas ruas
como costumava fazer
E, com medo, paraliso
Mas estou lá por você
Revejo minha vida
de forma completa
Nunca fui eu
Nunca fui você
Você me mandou pra cá
Você me mandou pra lá
Quebrando coisas que não posso arrumar
Inventando objetos
da seu pensamento
Inventando mais
sem pensar
Alimentando-se com comida
e bebendo vinho
Um corpo que
pensei que era meu.
Vestido como árabe
Vestido como judeu
ó, máscara de ferro
Estava lá por você
Ânimos de glória,
Ânimos tão tolos
O mundo aparece
uma torre sangrenta
e a morte é velha
mas sempre é nova
Com medo, paraliso
e estou lá por você
Vejo claramente
Sempre soube
Nunca fui eu
Estava lá por você
Estava lá por você
Minha querida
E pelo seu direito
Tudo isso foi feito.

Villanelle For Our Time

Villanelle para nossa época

From bitter searching of the heart,
Quickened with passion and with pain
We rise to play
a greater part.
This is the faith from which we start:
Men shall know commonwealth again
From bitter searching of the heart.
We loved the easy and the smart,
But now, with keener hand and brain,
We rise to play
a greater part.
The lesser loyalties depart,
And neither race nor creed remain
From bitter searching of the heart.
Not steering by the venal chart
That tricked the mass for private gain,
We rise to play
a greater part.
Reshaping narrow law and art
Whose symbols are the millions slain,
From bitter searching of the heart
We rise to play
a greater part.

Da amarga procura do coração,
acelerado pela dor e pela paixão,
nos levantamos para encenar
um papel mais importante.
Esta é a fé de onde começamos:
Homens devem saber sobre a riqueza comum
Da amarga procura do coração,
amamos o simples e o esperto,
mas agora, com mãos e cérebro mais afiados,
nos levantamos para encenar
um papel mais importante.
Os mais infiéis se mandam,
E sem raça ou credo ficam
na amarga procura do coração.
Não seguindo o gráfico venal
que engana a massa para lucro pessoal,
nos levantamos para encenar
um papel mais importante.
Dando nova forma à lei e à arte
cujos símbolos são os milhões assassinados,
da amarga procura do coração
nos levantamos para encenar
um papel mais importante.

On That Day

Naquele dia

Some people say
It's what we deserve
For sins against g-d
For crimes in the world
I wouldn't know
I'm just holding the fort
Since that day
They wounded New York
Some people say
They hate us of old
Our women unveiled
Our slaves and our gold
I wouldn't know
I'm just holding the fort
But answer me this
I won't take you to court
Did you go crazy
Or did you report
On that day
On that day
They wounded New York

Alguns dizem
que merecemos isso
pelos pecados contra d—s
Pelos crimes no mundo
Não saberia
que simplesmente estou defendendo o forte
Desde aquele dia
Eles feriram Nova Iorque
Alguns dizem
que nos odeiam faz tempo
Descobriram nossas mulheres,
nossos escravos e nosso ouro.
Não saberia
que simplesmente estou defendendo o forte
Mas me responda isso
Não te levarei à corte
Você enlouqueceu
Ou você relatou
Naquele dia
Naquele dia
Em que feriram Nova Iorque

Morning Glory

Glória da Manhã

No words this time? No words. No, there are times when nothing can be done. Not this time. Is it censorship? Is it censorship? No, it's evaporation. No, it's evaporation. Is this leading somewhere? Yes. We're going down the lane. Is this going somewhere? Into the garden. Into the backyard. We're walking down the driveway. Are we moving towards.... We're in the backyard. ...some transcendental moment? It's almost light. That's right. That's it. Are we moving towards some transcendental moment? That's right. That's it. Do you think you'll be able to pull it off? Yes. Do you think you can pull it off? Yes, it might happen. I'm all ears. I'm all ears. Oh the morning glory!

Nenhuma palavra desta vez? Nenhuma palavra. Não, há vezes em que nada pode ser feito. Não desta vez. Isso é censura? Isso é censura? Não, é evaporação. Não, é evaporação. Isso vai dar em algum lugar? Sim. Vamos descer a rua. Isso vai dar em algum lugar? Ao jardim. Ao quintal. Estamos indo à garagem. Estamos indo na direção de... Estamos no quintal... algum movimento transcendental? É quase dia.
Está certo. É isso. Estamos indo a algum momento transcendental? Está certo. É isso. Você acha
que tem condições de estacionar? Sim. Você acha que pode estacionar? Sim, pode dar certo. Sou todo ouvidos. Sou todo ouvidos. Ó, a glória da manhã!

Undertow

Ressaca

I set out one night
When the tide was low
There were signs in the sky
But I did not know
I'd be caught in the grip
Of the undertow
Ditched on a beach
Where the sea hates to go
With a child in my arms
And a chill in my soul
And my heart the shape
Of a begging bowl

Previ numa noite
em que a maré estava baixa
O céu estava cheio de sinais
Mas eu não sabia
que seria atingido pela força
da ressaca.
Entrincheirado na praia
onde o mar odeia visitar
com uma criança em meus braços
e um calafrio em minha alma
meu coração no formato
de uma cuia de esmola.

The Letters

As cartas

You never liked to get
The letters that I sent.
But now you've got the gist
Of what my letters meant.
You're reading them again,
The ones you didn't burn.
You press them to your lips,
My pages of concern.
I said there'd been a flood.
I said there's nothing left.
I hoped that you would come.
I gave you my address.
Your story was so long,
The plot was so intense,
It took you years to cross
The lines of self-defense.
The wounded forms appear:
The loss, the full extent;
And simple kindness here,
The solitude of strength.
You walk into my room.
You stand there at my desk,
Begin your letter to
The one who's coming next

Você nunca gostou de receber
as cartas que mandei.
Mas agora finalmente entendeu
o que elas diziam.
Você as lê novamente,
aquelas que não incendiou.
Você as coloca em seus lábios,
minhas páginas de afeto.
Disse que houve uma inundação.
Disse que nada sobrou.
Esperava que você viesse.
Te dei meu endereço.
Sua história era muito longa,
seu enredo era muito intenso,
você levou anos para cruzar
as linhas da autodefesa.
Os aspectos dos ferimentos apareceram:
a perda, a extensão completa;
e simples bondade aqui,
a solidão da força.
Você entra em meu quarto.
Para na frente da minha mesa,
Começa a carta para
aquele que será o próximo.

Because Of

Por conta

Because of a few songs
Wherein I spoke of their mystery,
Women have been
Exceptionally kind
to my old age.
They make a secret place
In their busy lives
And they take me there.
They become naked
In their different ways
and they say, "Look at me, Leonard
Look at me one last time."
Then they bend over the bed
And cover me up
Like a baby that is shivering.

Por conta de umas poucas canções
nas quais revelei alguns de seus mistérios,
as mulheres têm sido
excepcionalmente bondosas
à minha velha idade.
Elas arranjam um lugar secreto
em suas vidas ocupadas
e me levam lá.
Elas ficam nuas
de suas próprias maneiras
e me dizem, “Olhe para mim, Leonard,
olhe pra mim pela última vez”.
Então elas se curvam na cama
e me cobrem
como um bebê que tem calafrios.

Go No More A-Roving

Perambular nunca mais

So we'll go no more a-roving
So late into the night,
Though the heart be still as loving,
And the moon be still as bright.
For the sword outwears its sheath,
And the soul outwears the breast,
And the heart must pause to breathe,
And love itself have rest.
Though the night was made for loving,
And the day returns too soon,
Yet we'll go no more a-roving
By the light of the moon.

Não iremos mais perambular
tão tarde da noite,
mesmo que o coração continue amando
e a lua siga brilhando.
Porque a espada marca a bainha,
e a alma desgasta o peito,
e o coração deva parar para respirar,
e o amor próprio tenha sobrado.
Mesmo que a noite tenha sido feita para amar,
e o sol volte a brilhar em breve,
mesmo assim não iremos mais perambular
sob a luz da lua.

Land of Plenty

Terra de fartura

Don't really know who sent me
To raise my voice and say:
May the lights in The Land of Plenty
Shine on the truth some day.

I don't know why I come here,
Knowing as I do,
What you really think of me,
What I really think of you.

For the millions in a prison,
That wealth has set apart -
For the Christ who has not risen,
From the caverns of the heart -

For the innermost decision,
That we cannot but obey -
For what's left of our religion,
I lift my voice and pray:
May the lights in The Land of Plenty
Shine on the truth some day.

I know I said I'd meet you,
I'd meet you at the store,
But I can't buy it, baby.
I can't buy it anymore.

And I don't really know who sent me,
To raise my voice and say:
May the lights in The Land of Plenty
Shine on the truth some day.

I don't know why I come here,
knowing as I do,
what you really think of me,
what I really think of you.

For the innermost decision
That we cannot but obey
For what's left of our religion
I lift my voice and pray:
May the lights in The Land of Plenty
Shine on the truth some day.

Não sei realmente quem mandou
eu erguer minha voz e dizer:
Que possam as Luzes da Fartura
brilharem um dia com a verdade.

Não sei por que estou aqui,
sabendo como sei
o que realmente você pensa de mim,
o que realmente acho de você.

Pelos milhares de presos,
cuja riqueza foi separada –
pelo Cristo que não se levantou
das cavernas do coração.

Pela mais íntima decisão,
da qual não podemos desobedecer –
por aquilo que sobrou da nossa religião,
elevo minha voz e rezo:
Que possam as Luzes da Fartura
brilharem um dia com a verdade.

Sei que disse que te encontrei,
que te encontrei na loja,
mas não posso mais comprar, baby.
Não posso mais comprar.

Não sei realmente quem mandou
eu erguer minha voz e dizer:
Que possam as Luzes da Fartura
brilharem um dia com a verdade.

Não sei por que estou aqui,
sabendo como sei
o que realmente você pensa de mim,
o que realmente acho de você.

Pela mais íntima decisão,
da qual não podemos desobedecer –
por aquilo que sobrou da nossa religião,
elevo minha voz e rezo:
Que possam as Luzes da Fartura
brilharem um dia com a verdade.

Boogie Street

Rua Boogie

O Crown of Light, O Darkened One,
I never thought we'd meet.
You kiss my lips, and then it's done:
I'm back on Boogie Street.

A sip of wine, a cigarette,
And then it's time to go.
I tidied up the kitchenette;
I tuned the old banjo.
I'm wanted at the traffic-jam.
They're saving me a seat.
I'm what I am, and what I am,
Is back on Boogie Street.

And O my love, I still recall
The pleasures that we knew;
The rivers and the waterfall,
Wherein I bathed with you.
Bewildered by your beauty there,
I'd kneel to dry your feet.
By such instructions you prepare
A man for Boogie Street.

O Crown of Light, O Darkened One...

So come, my friends, be not afraid.
We are so lightly here.
It is in love that we are made;
In love we disappear.
Tho' all the maps of blood and flesh
Are posted on the door,
There's no one who has told us yet
What Boogie Street is for.

O Crown of Light, O Darkened One,
I never thought we'd meet.
You kiss my lips, and then it's done:
I'm back on Boogie Street.

A sip of wine, a cigarette,
And then it's time to go . . .

Soberano da Luz, Senhor do Escuro,
nunca pensei que nos encontraríamos.
Você beija meus lábios, e então está feito:
estou de volta à Rua Boogie.

Um gole de vinho, um cigarro,
então é hora de partir.
Arrumei a kitinete;
afinei o velho banjo.
Querem que eu esteja no engarrafamento.
Guardaram um lugar pra mim.
Sou o que sou, e o que sou
está de volta à Rua Boogie.

E meu amor ainda me lembra
dos prazeres que experimentamos;
Os rios e as cascatas
nas quais me banhei com você.
Aturdido pela sua beleza,
ajoelhei-me para secar seu pé.
Por tais instruções, você preparou
um homem para a Rua Boogie

Coroa de Luz, Senhor do Escuro...

Venham, meus amigos, não tenham medo.
Estamos tão leves aqui.
Nos constituímos no amor;
no amor desparecemos.
Mesmo que os mapas de carne e sangue
estejam pregados à porta,
não houve ninguém que nos dissesse
pra que serve a Rua Boogie.

Soberano da Luz, Senhor do Escuro,
nunca pensei que nos encontraríamos.
Você beija meus lábios, e então está feito:
estou de volta à Rua Boogie.

Um gole de vinho, um cigarro,
então é hora de partir.