Popular Problems

Nevermind

Deixa pra lá

The war was lost
The treaty signed
I was not caught
I crossed the line

I was not caught
Though many tried
I live among you
Well disguised

I had to leave
My life behind
I dug some graves
You’ll never find

The story’s told
With facts and lies
I had a name
But never mind

Never mind
Never mind
The war was lost
The treaty signed

There’s truth that lives
And truth that dies
I don’t know which
So never mind

Your victory
Was so complete
That some among you
Thought to keep

A record of
Our little lives
The clothes we wore
Our spoons our knives

The games of luck
Our soldiers played
The stones we cut
The songs we made

Our law of peace
Which understands
A husband leads
A wife commands

And all of this
Expressions of
The Sweet Indifference
Some call Love

The High Indifference
Some call Fate
But we had Names
More intimate

Names so deep
and Names so true
They’re blood to me
They’re dust to you

There is no need
That this survive
There’s truth that lives
And truth that dies

Never mind
Never mind
I live the life
I left behind

There’s truth that lives…

I could not kill
The way you kill
I could not hate
I tried I failed

You turned me in
At least you tried
You side with them
Whom you despise

This was your heart
This swarm of flies
This was once your mouth
This bowl of lies

You serve them well
I’m not surprised
You’re of their kin
You’re of their kind

Never mind
Never mind
The story’s told
With facts and lies
You own the world
So never mind

Never mind
Never mind
I live the life
I left behind

I live it full
I live it wide
Through layers of time
You can’t divide

My woman’s here
My children too
Their graves are safe
From ghosts like you

In places deep
With roots entwined
I live the life
I left behind

A guerra foi perdida
O pacto assinado
Não fui capturado
Cruzei a fronteira

Não fui capturado
Apesar de muitos tentarem
Vivo ao seu lado
Bem disfarçado

Tive que deixar
Minha vida pra trás
Cavei algumas covas
Que você nunca encontrará

A história foi contada
Com fatos e mentiras
Eu tive um nome
Mas deixa pra lá

Deixa pra lá
Deixa pra lá
A guerra foi perdida
O pacto assinado

Há verdades que persistem
E verdades que morrem
Não sei quais são
Então deixa pra lá

Sua vitória
Foi tão completa
Que alguns do seu meio
Pensaram em guardar

Uma recordação
de nossas vidinhas
As roupas que vestimos
Nossas colheres e facas

Os jogos de sorte
Que nossos soldados jogavam
As pedras que lascamos
As canções que compomos

Nossa lei de paz
Que deixa a saber
Que um marido lidera
Uma esposa comanda

E tudo isso são
Expressões da
Doce Indiferença
Que alguns chamam de amor

A Grande Indiferença
Alguns chamam de Destino
Mas designávamos Nomes
Mais íntimos

Nomes tão profundos
E Nomes tão honestos
Que são sangue pra mim
Que são pó pra ti

Não há necessidade
Disso sobreviver
Há verdades que persistem
E verdades que morrem

Deixa pra lá
Deixa pra lá
Eu vivo a vida
Que deixei pra trás

Há verdades que persistem...

Não poderia matar
Como você matou
Não poderia odiar
Tentei e falhei

Você me converteu
Pelo menos tentou
Você foi pro lado daqueles
Que você despreza

Este foi seu coração
Esta nuvem de moscas
Era uma vez esta sua boca
Esta tigela de mentiras

Você os serviu bem
Não estou surpreso
Você é da laia deles
Você é do tipo deles

Deixa pra lá
Deixa pra lá
A história é contada
Com fatos e mentira
O mundo é seu
Então deixa pra lá

Deixa pra lá
Deixa pra lá
Eu vivo a vida
Que deixei pra trás

Vivo por completo
Vivo abertamente
Pelas camadas do tempo
Que não é capaz de quebrar

Minha mulher está aqui
Meus filhos também
Suas sepulturas estão seguras
De fantasmas como tu

Em lugares fundos
Com raízes entrelaçadas
Vivo a vida
Que deixei pra trás

Did I Ever Love You

Já te amei?

Did I ever love you
Did I ever need you
Did I ever fight you
Did I ever want to

Did I ever leave you
Was I ever able
Are we still leaning
Across the old table

Did I ever love you…

Was it ever settled
Was it ever over
And is it still raining
Back in November

The lemon trees blossom
The almond trees whither
Was I ever someone
Who could love you forever

Was it ever settled
Was it ever over
And is it still raining
Back in November

The lemon trees blossom
The almond trees whither
It’s Spring and it’s Summer
And it’s Winter forever

Did I ever love you
Does it really matter
Did I ever fight you
You don’t need to answer

Did I ever leave you
Was I ever able
Are we still leaning
Across the old table

Did I ever love you…

Já te amei?
Já precisei de ti?
Já briguei com você?
Já quis você ?

Já deixei de você?
Já fui capaz?
Ainda estamos inclinados
Sobre a velha mesa?

Já te amei...

Isso já foi selado?
Isso já acabou?
E ainda está chovendo
Agora em Novembro?

Os limoeiros florescem
As amendoeiras secam
Já fui alguém
Que poderia te amar pra sempre?

Isso já foi selado?
Isso já acabou?
E ainda está chovendo
Agora em Novembro?

Os limoeiros florescem
As amendoeiras secam
Já fui alguém
Que poderia te amar pra sempre?

Já te amei?
Isso realmente importa?
Já briguei com você?
Não precisa responder

Já deixei de você?
Já fui capaz?
Ainda estamos inclinados
Sobre a velha mesa?

Já te amei...

 

A Street

A Street - Uma rua

I used to be your favorite drunk
Good for one more laugh
Then we both ran out of luck
Luck was all we ever had
You put on a uniform
To fight the Civil War
You looked so good I didn’t care
What side you’re fighting for

It wasn’t all that easy
When you up and walked away
But I’ll save that little story
For another rainy day
I know the burden’s heavy
As you wheel it through the night
Some people say it’s empty
But that don’t mean it’s light

You left me with the dishes
And a baby in the bath
You’re tight with the militias
You wear their camouflage
You always said we’re equal
So let me march with you
Just an extra in the sequel
To the old red white and blue

Baby don’t ignore me
We were smokers we were friends
Forget that tired story
Of betrayal and revenge
I see the Ghost of Culture
With numbers on his wrist
Salute some new conclusion
Which all of us have missed

I cried for you this morning
And I’ll cry for you again
But I’m not in charge of sorrow
So please don’t ask me when
There may be wine and roses
And magnums of champagne
But we’ll never no we’ll never
Ever be that drunk again

The party’s over
But I’ve landed on my feet
I’ll be standing on this corner
Where there used to be a street

Eu fui seu bêbado favorito
Bom para mais uma risada
Então ficamos sem sorte
E sorte era tudo o que tínhamos
Você botou a farda
Para lutar na Guerra Civil
Você estava tão linda que nem me importei
Em saber por qual lado lutava

Não foi assim tão fácil
Quando você se levantou e partiu
Mas guardarei aquela pequena história
Para outro dia de chuva
Sei que o fardo é pesado
Enquanto o carrega noite adentro
Alguns dizem que ele está vazio
Mas isso não significa que é leve

Você me deixou com os pratos sujos
E um bebê na banheira
Você está engajada com as milícias
Você enverga a camuflagem deles
Você sempre disse que somos iguais
Então me deixe marchar ao seu lado
Apenas um extra nesta igualdade
Ao velho vermelho, branco e azul

Baby, não me ignore
Somos fumantes, somos amigos
Esqueça aquela história rota
De traição e vingança
Vejo o Fantasma da Cultura
Com números em seu pulso
Saúdo alguma nova conclusão
que talvez deixamos passar

Chorei por você esta manhã
E chorarei ainda mais
Mas não mando na tristeza
Então não me peça pra escolher a hora
Pode haver rosas e vinho
E litros de champanhe
Mas nunca, jamais ficaremos
tão bêbados como daquela vez

A festa acabou
Mas vou me recuperar
Vou ficar de pé nessa esquina
Onde uma rua costumava cruzar

Samson in New Orleans

Samson in New Orleans - Sansão em Nova Orleans

You said that you were with me
You said you were my friend
Did you really love the city
Or did you just pretend

You said you loved her secrets
And her freedoms hid away
She was better than America
That’s what I heard you say

You said how could this happen
You said how can this be
The remnant all dishonored
On the bridge of misery

And we who cried for mercy
From the bottom of the pit
Was our prayer so
damn unworthy
The Son rejected it?

So gather up the killers
Get everyone in town
Stand me by those pillars
Let me take this temple down

The king so kind and solemn
He wears a bloody crown
So stand me by that column
Let me take this temple down

You said how could this happen
You said how can this be
The chains are gone from heaven
The storms are wild and free

There’s other ways to answer
That certainly is true
Me, I’m blind with death and anger
And that’s no place for you

There’s a woman in the window
And a bed in Tinsel Town
I’ll write you when it’s over
Let me take this temple down

Você disse que estava comigo
Disse que era meu amigo
Você ama mesmo a cidade
Ou apenas finge?

Você disse que amava os segredos dela
E suas liberdades escondidas
Ela era melhor que a América
Isso ouvi da sua boca

Você se perguntou como isso pôde acontecer
Você se perguntou como isso pode ser assim
Todos os remanescentes desonrados
Na ponte da miséria

E nós que do fundo do poço
Gritamos por misericórdia
Nossas preces eram assim
tão indignas
para O Filho rejeitá-las?

Reúnam-se, então, assassinos
Tragam todos à cidade
Deixe-me ali naquela coluna
Deixe-me derrubar este templo

O rei tão bom e solene
Usa uma coroa banhada em sangue
Deixe-me naquela coluna
Deixe eu derrubar este templo

Você se perguntou como isso pôde acontecer
Você se perguntou como isso pode ser assim
As correntes se foram do paraíso
As tempestades são selvagens e correm soltas

Há outras respostas
que certamente são verdade
Eu, estou cego pela morte e raiva
E este não é lugar pra você

Há uma mulher na janela
E uma cama na Tinsel Town
Escreverei pra você quando tudo acabar
Deixe-me derrubar este templo

Almost Like the Blues

Almost Like the Blues - Quase como a tristeza

I saw some people starving
There was murder, there was rape
Their villages were burning
They were trying to escape
I couldn’t meet their glances
I was staring at my shoes
It was acid, it was tragic
It was almost like the blues

I have to die a little
Between each murderous thought
And when I’m finished thinking
I have to die a lot
There’s torture and there’s killing
There’s all my bad reviews
The war, the children missing
Lord, it’s almost like the blues

I let my heart get frozen
To keep away the rot
My father says I’m chosen
My mother says I’m not
I listened to their story
Of the Gypsies and the Jews
It was good, it wasn’t boring
It was almost like the blues

There is no G-d in Heaven
And there is no Hell below
So says the great professor
Of all there is to know
But I’ve had the invitation
That a sinner can’t refuse
And it’s almost like salvation
It’s almost like the blues

Vi pessoas passando fome
Houve mortes, houve estupro
Suas vilas incendiadas
Eles tentavam escapar
Não pude olhá-los no olhos
Eu encarava meus sapatos
Foi amargo, foi trágico
Foi quase como a tristeza

Tenho que morrer um pouco
Entre cada pensamento homicida
E quando terminei de pensar
Tive que morrer muito a mais
Há tortura, há matança
Há todas minhas lembranças terríveis
A guerra, as crianças desaparecidas
Senhor, é quase como a tristeza

Deixei meu coração frio como o gelo
Para manter longe a podridão
Meu pai diz que sou o escolhido
Minha mãe diz que não
Ouvi a história deles
Dos Ciganos e dos Judeus
Eram boas, não eram chatas
Eram quase como a tristeza

Não há um D--s no Paraíso
E não há um Inferno abaixo
Assim diz o grande professor
Daquilo tudo que se há pra saber
Mas recebi o convite
Que um pecador não pode negar
Ele é quase como a salvação
Ele é quase como a tristeza

Slow

Slow - Devagar

I’m slowing down the tune
I never liked it fast
You want to get there soon
I want to get there last

It’s not because I’m old
It’s not the life I led
I always liked it slow
That’s what my momma said

I’m lacing up my shoe
But I don’t want to run
I’ll get here when I do
Don’t need no starting gun

It’s not because I’m old
It’s not what dying does
I always liked it slow
Slow is in my blood

I always liked it slow:
I never liked it fast
With you it’s got to go:
With me it’s got to last

It’s not because I’m old
It’s not because I’m dead
I always liked it slow
That’s what my momma said

All your moves are swift
All your turns are tight
Let me catch my breath
I thought we had all night

I like to take my time
I like to linger as it flies
A weekend on your lips
A lifetime in your eyes

I always liked it slow…

I’m slowing down the tune
I never liked it fast
You want to get there soon
I want to get there last

So baby let me go
You’re wanted back in town
In case they want to know
I’m just trying to slow it down

Estou diminuindo o compasso
Nunca gostei dele rápido
Você quer chegar lá logo
Eu quero chegar lá depois

Não é porque sou velho
Não é por causa da vida que levo
Sempre gostei da lentidão
Isso foi o que minha mãe disse

Amarro meu sapato
Mas não quero correr
Vou chegar lá quando chegar
Não preciso de um tiro de largada

Não é porque sou velho
Não é porque a morte se aproxima
Sempre gostei da lentidão
Lentidão está no meu sangue

Sempre gostei da lentidão
Nunca gostei da velocidade
Com você é ‘preciso ir’:
Comigo é ‘preciso durar’.

Não é porque sou velho
Não é porque estou morto
Sempre gostei da lentidão
Isso foi o que minha mãe disse

Todos seus movimentos são rápidos
Todas suas mudanças são firmes
Deixe eu recuperar o fôlego
Pensei que tínhamos a noite toda

Gosto de ter meu tempo
Gosto de protelar enquanto ele voa
Um fim de semana nos seus lábios
Uma vida inteira em seus olhos

Sempre gostei da lentidão...

Estou diminuindo o compasso
Nunca gostei dele rápido
Você quer chegar logo lá
Quero chegar lá depois

Então, baby, deixe que eu vá
Querem que você volte à cidade
No caso de eles desejarem saber
Estou apenas tentando desacelerar.