Take This Waltz

Dance essa valsa

Now in Vienna there's ten pretty women
There's a shoulder where Death comes to cry
There's a lobby with nine hundred windows
There's a tree where the doves go to die
There's a piece that was torn from the morning
And it hangs in the Gallery of Frost
Ay, Ay, Ay, Ay
Take this waltz, take this waltz
Take this waltz with the clamp on its jaws

Oh I want you, I want you, I want you
On a chair with a dead magazine
In the cave at the tip of the lily
In some hallways where love's never been
On a bed where the moon has been sweating
In a cry filled with footsteps and sand
Ay, Ay, Ay, Ay
Take this waltz, take this waltz
Take its broken waist in your hand

This waltz, this waltz, this waltz, this waltz
With its very own breath of brandy and Death
Dragging its tail in the sea

There's a concert hall in Vienna
Where your mouth had a thousand reviews
There's a bar where the boys have stopped talking
They've been sentenced to death by the blues
Ah, but who is it climbs to your picture
With a garland of
freshly cut tears?
Ay, Ay, Ay, Ay
Take this waltz, take this waltz
Take this waltz it's been dying for years

There's an attic where children are playing
Where I've got to lie down with you soon
In a dream of Hungarian lanterns
In the mist of some sweet afternoon
And I'll see what you've chained to your sorrow
All your sheep and your lilies of snow
Ay, Ay, Ay, Ay
Take this waltz, take this waltz
With its "I'll never forget you, you know!"

This waltz, this waltz, this waltz, this waltz ...

And I'll dance with you in Vienna
I'll be wearing a river's disguise
The hyacinth wild on my shoulder,
My mouth on the dew of your thighs
And I'll bury my soul in a scrapbook,
With the photographs there, and the moss
And I'll yield to the flood of your beauty
My cheap violin and my cross
And you'll carry me down on your dancing
To the pools that you lift on your wrist
Oh my love, Oh my love
Take this waltz, take this waltz
It's yours now. It's all that there is.

Em Viena há dez belas mulheres
Há um ombro no qual a Morte vem chorar
Há um lobby com novecentas janelas
Há uma árvore na qual as pombas vão para morrer
Há um pedaço arrancado da manhã
Que está exposto na Galeria da Geada
Ay, ay, ay, ay
Dance essa valsa, dance essa valsa
Dance essa valsa com o grampo em sua mandíbula

Ó, eu te quero, te quero, te quero
Numa cadeira com um revista antiga
Numa caverna na ponta do lírio
Em corredores onde o amor nunca esteve
Numa cama onde a lua esteve transpirando
Num grito coberto por pegadas e areia
Ay, ay, ay, ay
Dance essa valsa, dance essa valsa
Tome em suas mãos essa cintura desfigurada

Essa valsa, essa valsa, essa valsa, essa valsa
Com seu hálito de brandy e Morte
Afundando seu rabo no mar

Há uma sala de concertos em Viena
Onde sua boca tem milhões de críticos
Há um bar onde os meninos pararam de falar
Foram sentenciados à morte pela tristeza
Ah, mas o que é isso que galga sua foto
com uma grinalda de lágrimas
que recém pararam de cair
Ay, ay, ay, ay
Dance essa valsa, dance essa valsa
Dance essa valsa que há anos vem morrendo

Há um sótão onde as crianças brincam
Onde quero me deitar com você na sequência
Num sonho de lampiões húngaros
Na névoa de alguma tarde doce
E verei o que você acorrentou à sua tristeza
Todo seu rebanho e seus lírios de neve
Ay, ay, ay, ay
Dance essa valsa, dance essa valsa
Com esse: “Você sabe, nunca te esquecerei!”

Essa valsa, essa valsa, essa valsa ...

E dançarei com você em Viena
Estarei usando um disfarce de rio
Um jacinto selvagem em meu ombro
Minha boca no orvalho das suas coxas
E enterrarei minha alma num álbum de colagem
Junto com as fotografias e o musgo
E enriquecerei com sua inundação de beleza
Meu violino barato e minha cruz
Você irá me guiar na sua dança
Às piscinas que você alça em seus pulsos
Ó, meu amor, ó, meu amor
Dance essa valsa, dance essa valsa
Ela é sua e isso é tudo que há.